Coronavírus (COVID-19) e a suspensão temporária do contrato de trabalho

coronavírus

https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/casa

coronavírus

https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/casa



No dia 1º de abril de 2020 o governo federal, através da MP 936, instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda que trata de medidas trabalhistas para o enfrentamento do estado de calamidade pública decorrente do Coronavírus (COVID-19).

São medidas alternativas criadas pelo governo, com aporte financeiro da União Federal, como forma de minimizar os impactos da pandemia no âmbito trabalhista.

O Programa prevê o pagamento de um benefício emergencial aos trabalhadores que tenham uma redução da jornada e do salário ou suspendam temporariamente o contrato de trabalho. No post de hoje trataremos sobre a segunda hipótese. Confira!


Suspensão temporária do contrato de trabalho

Empregado e empregador que queiram suspender o contrato de trabalho devido à pandemia,deverão realizar acordo individual por escrito. A MP 936/2020 prevê que a suspensão pode ser de no máximo 60 dias, podendo ser fracionado em 2 períodos de 30 dias.

O acordo celebrado entre as partes deverá ser entregue ao trabalhador com antecedência mínima de 2 dias corridos da suspensão. Nesse período, o empregado continuará recebendo os benefício concedidos pelo empregador, como por exemplo, vale alimentação/refeição, plano de saúde, cestas básicas, etc.

Com relação ao adicionais de insalubridade e periculosidade, no meu entendimento, não há necessidade do pagamento, visto que trata-se de salário-condição e não benefício.


No período da suspensão o empregado não poderá, em hipótese nenhuma, continuar trabalhando para o mesmo empregador, sob pena de ser descaracterizada a suspensão.

Importante! Cessado o estado de calamidade pública, a suspensão do contrato de trabalho também terminará.

Se optar por antecipar o fim da suspensão do contrato de trabalho, o empregador deverá comunicar o trabalhador com antecedência mínima de 2 dias corridos.


Benefício emergencial

Primeiramente, é importante salientar que o pagamento do benefício emergencial ficará por conta da União Federal. Ou seja, os estados e municípios não são responsáveis pelo auxílio.

O empregado que tiver o contrato de trabalho suspenso temporariamente receberá o benefício emergencial, que será calculado com base no valor mensal do seguro-desemprego que teria direito.

Atenção! O empregado não recebe o seguro-desemprego em si, e sim um benefício emergencial que tem como base de cálculo o seguro-desemprego.

Dessa forma, mesmo que o trabalhador venha a receber o benefício emergencial, ele não perderá o direito de futuramente, em caso de demissão, receber o seguro-desemprego. E tem mais: o empregado receberá o benefício independentemente do tempo de vínculo empregatício, do cumprimento de qualquer período aquisitivo e do número de salários recebidos.


No caso de suspensão temporária do contrato, o valor do benefício será, dependendo do enquadramento da empresa, equivalente à 70% ou 100% do valor correspondente ao seguro-desemprego.

Por terem faturamento máximo anual de até R$ 4.800.000,00, microempresas e empresas de pequeno porte se enquadram na segunda hipótese, ou seja, o valor do benefício será pago integralmente pelo governo federal.

Para facilitar o cálculo, o Ministério da Economia elaborou uma tabela que se encontra no final desse post.


Hipótese 1: Empregados de empresas com faturamento no último exercício (2019) de até R$ 4.800.000,00 receberão, da União, o valor correspondente a 100% do valor que seria devido do seguro-desemprego.

Exemplo: Se o empregado recebe um salário de R$ 3.000,00, em caso de suspensão temporária do contrato de trabalho, ele receberá o benefício no valor de R$ 1.813,03.

Se quiser, o empregador poderá complementar o salário do empregado com uma ajuda de custo mensal.


Hipótese 2: Empregados de empresas que tiveram faturamento superior à R$ 4.800.000,00 no último exercício, receberão, do governo federal, 70% do que teria direito do seguro-desemprego. Além disso, receberão, do empregador, 30% calculado sob o valor do salário. Essa porcentagem paga pelo empregador é chamada de ajuda compensatória mensal.

Exemplo: Se o empregado recebe um salário de R$ 3.000,00, ele receberá, através da União, o benefício emergencial no valor de R$ 1.269,12 (70% sob seguro-desemprego) + R$ 900,00 (30% do salário) pagos pelo empregador. No total, o empregado receberá R$ 2.169,12.

Ou seja, nas duas hipóteses haverá uma redução no salário do empregado.

Achou complicado? Clique aqui e entre em contato com um advogado!


Forma de pagamento

A MP dispõe que o benefício emergencial será pago mensalmente, sendo que a primeira parcela será adimplida no prazo de 30 dias à partir da data de celebração do acordo.

Cabe ao empregador, no prazo de 10 dias à contar da celebração do acordo, informar ao Ministério da Economia da suspensão temporária do contrato de trabalho. A empresa também deve notificar a suspensão ao sindicato laboral no mesmo prazo de 10 dias*.

*Com a liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski no dia 07/04/2020, o sindicato deve autorizar a suspensão do contrato. O julgamento da ADI 6363 será no dia 16/04/2020.


Importante! O benefício emergencial será pago exclusivamente enquanto durar a suspensão temporária do contrato de trabalho.

Exemplo: Se o empregado e empregador celebrarem acordo no dia 13/04/2020, a empresa tem até o dia 23/04/2020 para notificar o ME da suspensão. Nesse caso, o empregado receberia a primeira parcela do benefício no dia 13/05/2020.

Se o empregador não notificar o Ministério da Economia no prazo de 10 dias, ele ficará responsável pelo pagamento do salário no valor anterior à suspensão.


Garantia provisória no emprego

O empregado que tiver o contrato de trabalho suspenso temporariamente,terá garantia provisória no emprego pelo período que durar a suspensão e pelo mesmo período após o fim da suspensão.

Explico: Se o acordo de suspensão for firmado pelo período de 40 dias, durante esse período o empregado terá estabilidade. Passados os 40 dias da suspensão, o empregado terá mais 40 dias de garantia no emprego. No total, o trabalhador terá 80 dias corridos de estabilidade.


A MP 936 prevê que o empregador deverá pagar verbas rescisórias e indenização se, durante a suspensão temporária, demitir o trabalhador sem justa causa.

Em contrapartida, o empregado perde a garantia provisória no emprego se pedir demissão ou for demitido por justa causa.


Quem não pode receber o benefício?

O empregado ocupante de cargo ou emprego público, cargo em comissão ou titular de mandato eletivo não poderá receber o benefício emergencial.

Os trabalhadores que estejam em gozo do seguro-desemprego, os estagiários e os aposentados também não receberão o benefício, exceto àqueles que recebam pensão por morte ou auxílio acidente.

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda também não se aplica aos órgãos da administração pública direta ou indireta, sociedades de economia mista, empresas públicas e suas subsidiárias.


Clique aqui para ler o texto integral de Medida Provisória 936/2020.

O que você achou do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda? Ficou com alguma dúvida?

Curta, comente, compartilhe!

Sthefani Cartapatt
Sthefani Cartapatt
Me chamo Sthefani Cartapatt Macedo, sou advogada especialista em Direito do Trabalho. Idealizadora do Conecta Direito, escrevo sobre as relações trabalhistas e consumeristas.

2 Comentários

  1. DAFINI SAMARA BOLDRINI disse:

    Olá!
    Achei esse post super esclarecedor. Com tantas normas regulamentando a pandemia, fica difícil ler a letra da lei em todas, por isso é tão importante posts como esses.
    Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *